“Kono Sekai no Katasumi ni”: a geração que não sabia ver

kono sekai no katasumi ni 7

Das imagens que minha vó trouxe da Segunda Guerra, uma se destaca das demais. De tempos em tempos, aviões aliados sobrevoavam seu vilarejo, metralhando tudo o que encontravam pela frente.

Minha vó nunca ficava para o espetáculo: ao primeiro som das hélices, ela e suas amigas corriam para as montanhas.

“Eles nunca acertavam” ela dizia “Acho que no final só queriam assustar”.

Ouvi essa história incontáveis vezes, mas ela nunca deixou de me embasbacar.  Ali estava uma mulher que não fazia ideia de como funcionava uma “guerra”, mesmo quando as balas zumbiam acima de sua cabeça.

É um relato inocente, mas ao mesmo tempo aterrorizante. E graças ao diretor Sunao Katabuchi, ex-Studio Ghibli, pude vivenciá-lo em primeira mão.

Kono Sekai no Katasumi ni, filme de sua autoria lançado esse ano, traz a mesmíssima cena.

Kono sekai no katasumi ni 1.png

kono sekai no katasumi ni 2.jpg

Nesse canto do mundo

Lançado no Japão ano passado e no Ocidente esse ano, o filme vem colecionando prêmios e até recordes de crowdfunding. O anime é baseado em um mangá de Fumiyo Kouno, que brasileiros devem reconhecer como autora de Hiroshima – A Cidade da Calmaria.

Kono Sekai no Katasumi ni (“Nesse Canto do Mundo”) conta a história de Suzu, uma garota de 18 anos que se muda para Kure, uma cidade militar próxima de Hiroshima.

Tudo vai bem, até não estar mais. Como sabemos da história, Hiroshima seria aniquilada no dia 6 de agosto de 1945. Sede de uma importante base da marinha, Kure experimentaria seus próprios demônios: de bombardeios incendiários a voleios de artilharia.

kono sekai no katasumi ni 3.png

Não pense, porém, que está diante de um filme de sofrimento. Kono Sekai no Katasumi ni não é Gen Pés Descalços nem O Túmulo dos Vagalumes. Em uma decisão artisticamente ousada – e original – o filme de Katabuchi se desenrola como um slice of life, recheado de picuinhas, cenas cotidianas e  até humor.

Sua “guerra” não é feita só de batalhas ou carnificinas, mas de pessoas reais, lutando para fazer o melhor de suas vidas. É uma “guerra”, tal como a da minha vó, em que meninas podem ver sua cidade metralhada e caçoar da mira dos pilotos. E casais podem se amar mesmo na claustrofobia de um abrigo anti-bombas.

kono sekai no katasumi ni 4.png

O filme é estruturado em forma de diário, com datas que tanto anunciam o passar do tempo quanto dão a contagem regressiva para a tragédia que sabemos que virá.

Muito antes da primeira bomba cair, nós assistimos à vida de suas personagens mudando na medida em que o Império do Japão caminha para a derrota.

Racionamento de comida. Um irmão morto em campanha. Os efeitos da privação de sono, após noites a fio se protegendo de bombardeios. E as consequências terríveis de quando, num momento de desatenção, Suzu esquece de seguir o protocolo.

kono sekai no katasumi ni 5.png

A importância da leveza

Katabuchi conta sua história em um passo lento, fiel ao ritmo do mangá original. O resultado é um longa quase episódico, sem um grande conflito central.

Isto pode parecer estranho, considerando o que o filme trata do conflito mais “central” da história do Japão moderno. No entanto, justamente por sua leveza, ele consegue soprar uma lufada de ar fresco a um gênero batido.

Em uma de suas melhores cenas, o kempetai (polícia política) flagra Suzu desenhando um navio de guerra. Ela é arrastada até sua casa, onde ela e suas parentes sofrem uma humilhante batida policial. Isto é espionagem, eles dizem. As mulheres abaixam os olhos, e sentimos em sua tensão um misto de pavor e ódio incontido.

Assim que os policiais vão embora, no entanto, todas começam a gargalhar. E descobrimos que as caretas não eram de ódio, mas de dificuldade em segurar as risadas. A tonta da Suzu, uma espiã? Nem em um milhão de anos!

O episódio, logo descobrimos, é um de muitos. Quando um porta-aviões naufraga e os peixes morrem por conta do óleo, ela celebra: hoje teremos pescada! Quando os americanos lançam panfletos sobre a cidade, ela não se preocupa com as batidas do kempetai: acabam de ganhar papel higiênico!

O texto não se prende a dramas óbvios. O casamento de Suzu é arranjado, mas isto não impede que ela e seu marido, Shusaku, acabem se apaixonando. Personagens morrem, mas o luto nunca degringola ao melodrama.

Kono Sekai no Katasumi ni foi criticado por Hideaki Anno por dar holofotes a uma mulher que “não faz nada”. Ledo engano. Suzu possui um poder que nenhum dos adolescentes birrentos de Evangelion é capaz de igualar: o de sempre sorrir, independente das circunstâncias.

kono sekai no katasumi ni 6

Se essa sutileza funciona, é porque está ancorada em uma arte primorosa, que tira o máximo do que a animação tem a oferecer. Katabuchi já trabalhou no Studio Ghibli em filmes como O Serviço de Entregas de Kiki. Em suas tomadas, ele prova que aprendeu as lições de seus mestres.

O traço é cartunesco, um meio-termo entre o realismo kawaii de O Túmulo dos Vagalumes e o impressionismo de Princessa Kaguya. Suzu é uma desenhista amadora, que nunca sai de casa sem um lápis. Ao longo do filme, as cenas são interpoladas com as imagens de seu bloquinho.

kono sekai no katasumi ni 17.png

kono sekai no katasumi ni 8.png

É uma técnica usada para efeito extremo, que torna o filme não apenas competente, mas inesquecível.

Em certo momento, Kure vira o palco de uma dogfight entre zeros e corsairs. Rajadas de metralhadora zumbem de todos os lados. Baterias anti-aéreas fazem as casas tremerem. Estilhaços furam telhados, e pessoas correm para os abrigos.

Suzu, no entanto, se esquece de se mexer. Mesmerizada pelo espetáculo, começa a ver a batalha como uma aquarela: as explosões como gotas de tinta, os rastros flamejantes como pinceladas.

kono sekai no katasumi ni 9.png

kono sekai no katasumi ni 10.png

É uma cena poética e virtuosística, que esperaríamos de um filme como Sonhos de Akira Kurosawa. Quando os clarões tomam formas de estrelas de Van Gogh, é difícil acreditar que a referência não seja proposital.

kono sekai no katasumi ni 11.png

kono sekai no katasumi ni 12.png

Mais do que isso, é um comentário sobre a própria protagonista. E a geração que, como ela, sofreu a radiação de uma bomba, mas nunca entendeu como uma “guerra” funcionava.

A geração que não sabia “ver”.

kono sekai no katasumi ni 13.png

Em dado momento, Shusaku, que trabalha na marinha, explica a Suzu os navios que estão no porto. Destróiers, submarinos, o próprio Yamato que acaba de chegar.

Suzu, porém, não presta atenção. Vendo que está devaneando, o marido a segura pela cabeça e a gira na direção do mar. “É para lá! ”

Como outras cenas do filme, a sequência vai além da superfície. De certa forma, é um retrato do próprio Japão de 1941: de uma mulher – uma sociedade – que não consegue ver o desastre de seu regime, mesmo quando ele atraca bem na frente de seus olhos.

kono sekai no katasumi ni 14.png

Não se trata de negacionismo, a ideia de que o Japão e seus aliados, Alemanha e Itália, não fizeram “nada de errado”.  É algo mais simples.

Para Suzu, tal como para a minha vó e tantos outros civis, nada daquilo fazia sentido. Jogos diplomáticos, linhas de suprimento, embargos comerciais e bloqueios aéreos são pautas de gabinetes. Não de pessoas comuns, iletradas, batalhando pelo seu sustento dia após dia.

Em 15 de agosto de 1945, o Imperador foi ao rádio anunciar a derrota. Para a maioria dos japoneses, foi a primeira vez em que ouviam sua voz.

Ao escutar seu anúncio, Suzu desmonta. Como pode aquilo ser uma “derrota”? Ela, que conseguiu sobreviver? Ela, que sofreu o que não sabia ser capaz de aguentar? Para que tanto sacrifício, se tudo foi em vão?

kono sekai no katasumi ni 15.png

É um questionamento que o próprio filme responde. A tomada corta para a vila de Kure, onde vemos hasteada uma bandeira coreana. O que para Suzu era o fim, para os povos oprimidos da Ásia (tal como para os judeus na Europa) era apenas o começo.

A Guerra do Pacífico foi causada pelo imperialismo japonês e terminou com a dissolução de seu império colonial. Coreanos, chineses e outras minorias – que trabalhavam no Japão, às vezes, como escravos – estavam finalmente livres.

Minorias cuja luta Suzu nunca enxergou, muito embora estivessem, como os navios de guerra, bem na frente de seus olhos.

kono sekai no katasumi ni 16.png

Poucos diretores sabem falar de guerra e sofrimento sem mostrar uma gota de sangue. Katabuchi consegue, por uma hora e quarenta minutos. É uma pena, no entanto, que seu filme derrape no final.

Quando a bomba finalmente cai, o anime cede à pornografia do sofrimento, com direito a cadáveres mutilados e infestados por vermes. É uma sequência gratuita e batida, que não acrescenta nada à mensagem da história.

Talvez seja enganador falar de Kono Sekai no Katasumi ni como um “filme de Hiroshima”.  Durante a maior parte do longa, a cidade está sempre “do outro lado da montanha”: tanto geográfica quanto narrativamente.

Ao “subir as cortinas” e mostrar o gore da explosão, Katabuchi apenas diminui o papel de sua heroína. Diante da hecatombe nuclear, ela passa, de protagonista, a mera nota de rodapé.

Suzu, que tanto batalhou para sorrir, merecia melhor.

 kono sekai poster.jpg

Anúncios

Publicado por

Vinicius Marino

Nerd, historiador, fã de Satoshi Kon e Mass Effect

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s